19/12/14

FILME DAS FRAGATAS NRP "DIOGO CÃO" E NRP "CORTE REAL"

           Mais um filme de 8mm a cores no canal de youtube deste blogue, cedido pelo Cte. José Rodrigues de Oliveira (CMG M FZE REF), onde é possível observar as Fragatas da mesma classe: NRP "Diogo Cão" F333 e NRP "Corte Real" F334 a navegar a par e efectuar reabastecimento. Trata-se de antigos contratorpedeiros da classe "John C. Butler", cedidos a Portugal em 1957 pelos EUA ao abrigo do Acordo de Defesa e Assistência Mútua.

https://www.youtube.com/watch?v=eRQfkuz1ocM&index=1&list=UUwBcnHbUtMJN7bAnj4mM6Jg

15/12/14

HISTÓRIA À VISTA - 36

          HISTÓRIA À VISTA N.º 36, última da série sobre o Navio de Apoio Logístico A5208 NRP "São Miguel", enviada pelo 1.º Comandante do Navio de Apoio “NRP São Miguel” - CMG REF Oliveira e Costa (1985-1988) e, escrita pelo então Mestre do Navio João Vasconcelos.
 
Nota prévia:
          Quando há cerca de 15 dias enviei pelo correio, via ordinária, ao Mestre Vasconcelos, Mestre do NRP “São Miguel” durante o meu Comando, a “Memória N.º 1 – É Doce…”, onde referia a ocorrência de água aberta, na primeira noite da primeira saída do navio, na latitude de Sines, não sabia qual seria a reacção do mesmo já que, o episódio então contado, acontecera há 25 anos.
          Em 1988 deixei o navio e, 9 anos mais tarde, em 1997, encontrámo-nos de novo, por um período de duas semanas, na Exposição do Dia da Marinha, realizado no Porto, no Palácio da Alfândega.
          A resposta não se fez tardar e vinha na forma de mais uma “Memória” tão singela quanto enternecedora. Entendi dever ser numerada e acrescentada às já existentes, passando a ser a número 15.
          De facto, a experiência de vida naquele navio, o “nosso” navio, continua bem presente e impressa em nós, acalentando o encantamento da saudade que, teimosamente, vem preenchendo a alma de quem teve a felicidade de nele servir. Uma palavra de agradecimento ao Senhor Mestre Vasconcelos, também ele, um dos esteios do NRP “São Miguel”.
 
MEMÓRIA n.º 15: "Odisseia"

          Em 10-11-85 cerca das 10:00 apresentaram-se 03 Sargentos no N/M Cabo Verde, Sarg. E Vaz, Sarg. M.Q. Canceiro e Sarg. M. Vasconcelos. Foi estranha a nossa apresentação, fomos apresentados a dois civis, logo nos informaram tratar-se do Mestre do navio e do 1º de Máquinas.
          No dia seguinte fomos apresentados ao senhor Capitão-tenente Meireles que era o Imediato do navio, informou-nos qual era o nosso papel a bordo e os objectivos pretendidos.
          Acabado de tirar o curso de manobra, sem experiência para um navio daquela envergadura e pouco pessoal, há que tentar fugir daqui, mas em boa hora não consegui, foi uma experiência enriquecedora para a minha vida profissional, militar e civil.
          O pessoal foi aparecendo a conta-gotas, parecia que éramos atirados para uma ilha deserta que ninguém queria habitar, nem ouvir falar, ilha essa que andava à deriva no Rio Tejo sem dono, ora cais de St.ª Apolónia ora Doca da Marinha e vice-versa.
          Todos os dias os tripulantes da Marinha-mercante nos massacravam, vocês não são capazes de tirar o navio do cais, nem carregar um saco de batatas para bordo, isto fazia-nos doer a alma, eles bem sabiam o mal que tinham feito.
          Um dia apareceu um senhor à civil a bordo logo nos disseram aquele senhor vai ser o Comandante do navio. Uns dias passados foi apresentado à pouca guarnição do Cabo Verde o senhor Cap. Frag. Oliveira Costa como Comandante do navio.
          A partir desse dia tínhamos um Comandante a bordo, cedo nos apercebemos que o Comandante partilhava da nossa ansiedade que era pôr o navio a navegar, calar a boca dos agoirentos da mercante.
          Toda a guarnição militar do ainda N/M “Cabo Verde” lançou-se ao trabalho não olhando a esforços e sacrifícios, passar do N/M “Cabo Verde” a NRP “São Miguel”.
          Quero aqui destacar dois Sargentos E. Vaz e MQ. Canceiro, não se pouparam a sacrifícios, sábados, domingos lá estavam a bordo, tentar reparar a avaria.
          Um domingo estava eu de serviço a bordo, apareceu Vaz e Canceiro:
- “Mestre queremos almoço”, como não havia rancho a bordo lá fui eu comprar uns frangos assados, quando me aproximava do navio o Vaz gritava:
- “Já tudo trabalha”, olhei para a chaminé do navio, esta largava fumo foi uma grande alegria para todos, dormiram a bordo.
          A partir desse dia estava traçado um novo destino para o jovem NRP “São Miguel”, novas e difíceis missões o esperavam, todas elas cumpridas. Foi esta a odisseia de um punhado de marinheiros com uma missão espinhosa a cumprir, dignificar o nome da Marinha de Guerra Portuguesa.
          Por ironia do destino o NRP “São Miguel” só ficou completo com as cores da Marinha de Guerra Portuguesa na ilha de São Vicente - Cabo Verde, foram pintados parte dos paus de carga e pau real.
          Todo este trabalho a bordo do NRP “São Miguel” foi doce, assim como doces hão-de ser os dias de vida que temos para viver.
          Senhor Comandante Oliveira e Costa, estou-lhe muito grato por depois de todos estes anos ainda se lembrar de mim. Aceite um doce abraço deste seu Mestre e amigo - João Vasconcelos.

03/12/14