18/11/13

ARTE MILITAR NAVAL - 05

ACTUALIZADO

          Neste artigo da resenha "Arte Militar Naval" apresento o desenho manuscrito de Luís Filipe Silva correspondente às Lanchas de Fiscalização de Pesca da classe "Azevia". Não o faço por acaso, mas por ter tido recentemente conhecimento que tive um antepassado que fez parte da guarnição de 02 lanchas desta classe.
          Infelizmente não o conheci, pois faleceu vários anos antes de eu nascer, não teve descendentes e, também não consegui até à data apurar muitos dados junto dos meus familiares, não deixando de ser no entanto interessante para mim.
          Era meu Tio-avô materno de nome completo António Rodrigues, nasceu por volta de 1910, natural da Freguesia de Tadim ou Vilaça, ambas do Concelho de Braga. Observando a única foto que reuni que data de 11/05/1962, atingiu pelo menos a patente de 1.º Sargento da classe de Fogueiro (Condutor de Máquinas só surgiu na década de 70).
          Ainda segundo familiares mais velhos era do Quadro Permanente da Armada e, prestou serviço em diversos navios, sendo que somente se recordam de estar destacado nas conhecidas Lanchas de Fiscalização de Pesca: P 597 "NRP Corvina" e P 598 "NRP Dourada", ambas da classe "Azevia".
          Os 02 navios da Briosa, na década de 60 e 70 do século passado, atracavam com bastante regularidade no Porto de Leixões e, no cais fluvial do Bicalho em Massarelos - Rio Douro, situado muito perto do local onde hoje se situa o Museu do Carro Eléctrico e a Ponte da Arrábida.
          Tal sucedia porque estavam atribuídas em permanência ao Comando da Zona Marítima do Norte, sendo que grande parte das suas guarnições era constituída por naturais da região Norte. Ainda segundo me contaram, chegavam mesmo a fundear por vezes no meio do próprio rio, amarrados a umas grandes bóias, sendo conhecidas popularmente na Marinha Portuguesa por "Pescadinhas do Douro".
          Tratou-se de uma classe de 06 Lanchas de Fiscalização construídas no Arsenal do Alfeite que serviram a Marinha de Guerra Portuguesa entre 1941 e 1976, cujo emprego operacional visava nomeadamente missões de SAR e fiscalização das pescas ao largo da costa de Portugal Continental.
          Toda a classe tinha a particularidade de ter nomes de peixes e, inicialmente tinham pintado nas amuras a letra inicial do nome do navio, mais tarde substituído pelo número de amura.

Principais características:
DESLOCAMENTO: 275 toneladas
DIMENSÕES: 42, 5 x 6,5 x 2,1 metros
PROPULSÃO: 02 motores diesel de 2.400 bhp - 2 veios
VELOCIDADE MÁXIMA: 17 nós
AUTONOMIA: 2.470 milhas a 11 nós ou 850 milhas a 17 nós
COMBUSTÍVEL: 25 toneladas de gasóleo
GUARNIÇÃO: 30 militares
ARMAMENTO: 2 Peças Oerlikon de 20mm
                                1.º Sargento Condutor de Máquinas António Rodrigues


Modelo de madeira da Lancha P 598 "NRP Dourada" oferecida ao Alm. Magalhães Queiroz que, foi seu Comandante, por um Vianense.

7 comentários:

  1. Muito bem, sempre de grande interesse

    ResponderEliminar
  2. Vous veuillez, les homens de la campagne ce sont aussi des marins
    os homens do interior muitos deles foram marinheiros,ex Fernão de Magalhãe

    ResponderEliminar
  3. Foram os primeiros navios da Marinha que contactei, ainda durante a minha adolescência. Apreciava a sua largada para o Mar, quando eu frequentava a Praia da Circunvalação, da Emília Barbosa.
    Nos primeiros anos da década de 1950 o meu tio avô, CMG Manuel dos Santos Botelho, era o Capitão do Porto de Leixões e introduziu-me o "bichinho" do mar e da nossa Marinha. Veio a falecer em 1957 como Director dos Serviços de Marinha em Angola.

    ResponderEliminar
  4. Afinal a marinha e o mar estão-lhe no sangue. Percebe-se assim melhor a paixão por estas coisas...

    ResponderEliminar
  5. Fui Imediato da Dourada durante uns meses (Abril-Outubro de 1970) naquela que foi a minha primeira comissão no mar...pois tinha saído da Escola Naval em Janeiro daquele mesmo ano.Gostei da experiência com 15 dias de cruzeiro e 15 dias atracado em Matosinhos que alternava com a Corvina.

    ResponderEliminar
  6. Cumpri o S.M.O. na Marinha de Guerra Portuguesa e estive embarcado no N.R.P. Corvina em 1972. Era Cmdte. o 1º Tem. Carlos da Silva Serrano. Será que alguém se lembra do nome do Imediato??

    ResponderEliminar
  7. Cumpri o S.M.O. na Marinha de Guerra Portuguesa e embarquei no N.R.P. Corvina em 1972. Era Cmdte. o 1º Tem. Carlos da Silva Serrano. Alguém se lembra quem era o Imediato?

    ResponderEliminar

Grato pelo seu comentário, prontamente estará visível!