01/05/12

FUZILEIROS NA BÓSNIA-HERZEGOVINA

(ACTUALIZADO)

















Força de Fuzileiros DELTA com a Bandeira Nacional de partida para a Bósnia-Herzegovina (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

          As FA's portuguesas no âmbito da missão de Apoio à Paz «SFOR II» na Bósnia-Herzegovina, marcaram presença militar ao longo de 16 anos, entre Janeiro de 1996 e Dezembro de 2011, sendo as principais localidades palco das Operações de Apoio à Paz: Rogatica, Vitkovice, Mostar, Visoko, Sarajevo e Srebrenica.
          Em 12 de Julho de 1999, no âmbito da operação «JOINT FORCE da NATO», foi decidido mediante um Despacho Conjunto do CEMA e CEME, constituir uma Força Conjunta de escalão Batalhão, integrando respectivamente militares dos dois ramos das FA’s (Marinha de Guerra Portuguesa e do Exército Português).
















Pelotão da CF n.º 21 em desfile nas ruas de Rogatica (Foto: Corpo de Fuzileiros)

          No que concerne à Marinha de Guerra Portuguesa, esta fez-se representar pela sua Infantaria Naval de combate, com uma Força de Fuzileiros designada “DELTA”, entre 01 de Setembro de 1999 e 09 de Agosto de 2000, constituída por Estado-Maior, Grupo de Comando e Serviços e a Companhia de Fuzileiros n.º 21 (CF n.º 21) do Batalhão de Fuzileiros n.º 2 (num total de 120 militares), tendo sido dividida com aquartelamento em Rogatica, Sarajevo e Vitkovice, juntamente com as Companhias do Exército Português.
          Em Rogatica (num antigo Hotel), ficou parte da Força e o Comando do Agrupamento; em Sarajevo, ficou destacado uma Secção para operar a Plataforma Logística, cuja função visava fazer a ponte entre a chegada de carga do Aeroporto e a Força no terreno; em Vitckovice (numa antiga fábrica), ficou o resto da Força juntamente com o Companhia de Serviços e Manutenção.
          A unidade “DELTA” estava por sua vez integrada na Força Nacional Conjunta Marinha – Exército de escalão Batalhão (BATTLE GROUP), designado “Agrupamento Conjunto ALFA”, adstrito ao Contingente Militar Português da «SFOR II», constituindo a sua OPRES (Reserva Operacional Terrestre), como Força de Intervenção do COMSFOR (Comando da Força de Estabilização) da NATO «SFOR II».
          Como Força de Intervenção, o “Agrupamento Conjunto ALFA”, como unidade flexível e robusta vocacionada para lidar com problemas de segurança, podia ser empenhada à ordem do COMSFOR em qualquer local do TO (Teatro de Operações) Bósnia-Herzegovina, em regime de prontidão de 08 horas, nomeadamente para executar “SURGE OPERATIONS”, reforçar as Divisões Multinacionais realizando “FRAMEWORK OPERATIONS” e garantir a segurança do Campo Militar de Visoko.


















Força de Fuzileiros DELTA (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

          Quanto à operacionalidade, a título de exemplo destaca-se:
- Participação no exercício «JOINT RESOLVE XIX» entre 22 e 26 de Maio de 2000, na zona de Mostar (Divisão Multinacional Sueste) a nível do “Agrupamento Conjunto ALFA”;















Fuzileiros junto de um helicóptero UH-60 Black Hawk da US Army, durante o exercício JOINT RESOLVE XIX (Foto: Corpo de Fuzileiros)

- A CF n.º 21 reforçou o “1st Battalion, 64th Infantry” da Divisão Multinacional Norte, sob Comando Norte-americano;
- Execução de patrulhas nocturnas;


















Guarnição de CHAIMITE composta por Fuzileiros, durante uma patrulha nocturna (foto cedida por SAJ FZ Jorge Piriquito)

- Realização de patrulhas conjuntas com outras forças estrangeiras;


































Fuzileiros e tropas canadianas durante patrulha conjunta (fotos cedidas por SAJ FZ Jorge Piriquito)

- Inspecção a locais de armazenamento de armamento com outras forças estrangeiras;


















Fuzileiros em patrulha apeada junto a vias rodoviárias (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

- Exercício de Tiro real em Glamoc, em 17 de Março de 2000 e entre 23 e 24 de Agosto de 2000, com todo o tipo de armamento orgânico distribuído;



































Fuzileiros em exercício de tiro real com armamento orgânico (fotos cedidas por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

- Na zona de Srebrenica entre 19 Junho e 15 de Julho de 2000, um Pelotão de Fuzileiros da CF n.º 21 realizou várias missões de reforço à Divisão Multinacional Norte e a Divisão Multinacional Noroeste, esta última sob Comando Britânico.



















Guarnição de CHAIMITE composta por Fuzileiros de partida para patrulha a partir do "Camp Dobol" (foto cedida por SAJ FZ Jorge Piriquito)


















Coluna de viaturas no "Camp Dobol" (foto cedida por SAJ FZ Jorge Piriquito)

          No tocante a armamento orgânico, os Fuzileiros foram apetrechados com:
- Pistola WALTHER P-38 de 9mm;
- Espingarda Automática HK G3 A4 de 7,62mm, com culatra retrátil;
- Espingarda Automática HK G3 TGS de 7,62mm, com lança-granadas HK-79 de 40mm acoplado;
- Metralhadora-ligeira MG-3 de 7,62mm;
- Metralhadora-ligeira BROWNING de 7,62mm;
- Metralhadora-pesada BROWNING M2HB de 12,7mm;
- Lança-granadas-foguetes LAW de 66mm;
- Canhão sem recuo CARL GUSTAV M3 CRS de 84mm;
- Morteirete FBP de 60mm;
- Posto de tiro do míssil filoguiado anti-carro MILAN M1.


















Fuzileiros com armamento e viaturas orgânicas (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

          Quanto a viaturas orgânicas, a partir de Janeiro de 2000, os Fuzileiros foram equipados com os seguintes meios terrestres cedidos pelo Exército Português:
- 10 Viaturas ligeiras 4x4 UMM ALTER D;
- 03 Viaturas tácticas médias IVECCO 4010 D;
- 01 Viatura Pesada Pronto-Socorro M-816;
- 10 Viaturas blindadas de transporte de tropas 4x4 BRAVIA CHAIMITE V-200, com metralhadora-pesada BROWNING M2HB de 12,7mm.


















Parque de viaturas dos Fuzileiros em Visoko (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

















Parque de CHAIMITES atribuídas aos Fuzileiros em Visoko (foto cedida por SAJ FZ Jorge Piriquito)

          De salientar que a Força de Fuzileiros “DELTA” foi inclusivamente escolhida por duas publicações periódicas estrangeiras para artigos de reportagem:
- Uma sobre o 3.º Pelotão da CF n.º 21 dotada de CHAIMITES, pela revista do Exército Norte-americano "Talon" (Abril de 2000);
- Outra sobre o exercício de Tiro real em Glamoc, em 17 de Março de 2000, com todo o tipo de armamento orgânico distribuído, pelo boletim “SFOR Informer Online”.

















































Revista talon (imagens cedidas por SAJ FZ Jorge Piriquito)










































Boletim SFOR Informer Online (imagens cedidas por SAJ FZ Jorge Piriquito)

          O transbordo de Portugal dos efectivos dos Fuzileiros (11 Oficiais, 15 Sargentos e 94 Praças) para o TO da Bósnia-Herzegovina foi efectuado por via de 04 voos TAM e 01 voo civil entre 04 de Janeiro e 03 de Fevereiro de 2000.
          Anteriormente à entrada no TO, a Força de Fuzileiros “DELTA” no que tange ao Aprontamento, realizou um na Base de Fuzileiros entre 07 e 25 de Junho de 1999 nas seguintes áreas:
- Treino físico;
- Vigilância de áreas sensíveis;
- Montagem de “check-points”;
- Patrulhamentos motorizados / apeados;
- Procedimentos de comunicações;
- Controlo de multidões;
- Operações aeromóveis;
- Combate em áreas edificadas;
- Aprontamento sanitário.
          Seguido de outro Aprontamento no Regimento de Infantaria n.º 3 em Beja, consistindo em Treino Operacional e participação nos Exercícios “BLI 992” e “HERMES 99".


















Fuzileiros a interagir com crianças bósnias (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

          Entre Junho e Julho de 1999, foram frequentados por Fuzileiros os seguintes cursos / estágios:
- “Operações de Apoio à Paz” por 06 Oficiais FZ’s, 13 Sargentos FZ’s e 93 Praças na EPI do Exército em Mafra;
- “Chefe de carro VBTP V-200” por 03 Oficiais FZ’s e 10 Sargentos FZ’s na EPC do Exército em Santarém;
- “Condutor de VBTP V-200” por 13 Praças FZ’s no RC n.º 6 do Exército em Braga;
- “Procedimentos administrativo-logísticos” por 01 Oficial FZ e 01 Sargento FZ na EPAM do Exército na Póvoa do Varzim;
- “Meios de Comunicações” por 04 Praças FZ’s na EPT do Exército no Porto.


















Coluna de viaturas guarnecidas por Fuzileiros (foto cedida por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

          Já no TO da Bósnia-Herzegovina foram efectuados Treinos Operacionais com o objectivo de manter o Regime de Prontidão de 08 horas:
- Reconhecimento a nível de Pelotão e Companhia;
- Tiro real;
- Treino de condução e de transmissões;
- Diversas operações a nível de Pelotão nas Divisões;
- Orientações sobre o TO junto das Divisões;
- Treino de técnicas específicas;
- Treino com helicópteros UH-60 “Black Hawk” da US Army.

































Fuzileiros em treino com helicópteros UH-60 Black Hawk da US Army (fotos cedidas por Cabo FZ António Lourenço / Associação de Fuzileiros)

          Com o objectivo de não descurar a moral e bem-estar no TO da Bósnia-Herzegovina, os Fuzileiros dispunham de vários meios didácticos e realizaram diversas actividades:
- Projecção de vídeo-filmes;
- Festas de aniversário;
- Biblioteca / Videoteca;
- Grupo musical;
- Campeonatos de xadrez;
- Campeonatos desportivos;
- Intercâmbios desportivos com FA’s de outras nacionalidades e civis locais;
- Concurso de fotografia;
- Visitas a locais com interesse cultural/histórico.


















Fuzileiro conductor (FZV) de viatura táctica média IVECCO 4010 D (Foto: Corpo de Fuzileiros)

          Terminada a missão foi compilado um processo documental na área das Informações, onde consta o Relatório de Fim de Missão, versando sobre as experiências e ensinamentos recolhidos, que foram posteriormente transmitidos em palestras efectuadas sobre Operações de Apoio à Paz no Corpo de Fuzileiros.
          Acresce-se ainda que no ano de 2000, um Oficial Superior Fuzileiro (CTEN FZ) cumpriu uma Comissão de Serviço na Bósnia-Herzegovina, na qualidade de Chefe da Missão de Observadores da União Europeia em Sarajevo, constituída por 50 elementos civis e militares de diferentes países da Europa, no âmbito da «European Union Monitor Mission» para os Balcãs.
          Estes observadores tinham por tarefa diária realizarem patrulhas e estabelecerem contactos com as entidades e população obtendo informações (judiciais, económicas, políticas e militares), que eram a posteriori relatadas nos seus relatórios diários e entregues nos respectivos Ministérios de Negócios Estrangeiros.

4 comentários:

  1. Estive na bósnia na companhia de fuzos n. 21, ao ler isto, recordei com saudades essa missão e os meus camaradas.
    Agradeço a este filho da escola estas linhas que escreveu sobre a participação dos Fuzos no esforço feito, para assegurar a paz neste território europeu, até porque muito português julga que só o exercito é que por lá esteve...
    Assim como aliás, não devem saber que recebemos muitos elogios da tropa de vários paises com quem operamos, e lá por ser como uma força mista de fuzos e exercito, chegavamos a ser solicitados só nós ao contrário do resto da força mista - exercito!
    aquele abraço J. Pinto

    ResponderEliminar
  2. Bons tempos, bons tempos..... Com o Coronel americano a responder perante a proposta de enviar a CAt. em vez da CF para o sector deles; "I want my Marines" :-)

    Por essas e por outras é que fomos "desconvidados" a participar em mais "Agrupamentos conjuntos"

    ResponderEliminar
  3. Quero agradecer o trabalho desenvolvido neste artigo. Ele permite. assim, o conhecimento mais amplo do que foi realmente a missão e a prestação dos Fuzileiros naquele teatro de Operações. Para quem questionava a natureza do terreno e a preparação dos Fuzileiros apenas em zonas aquáticas, teve de aceitar que ficou amplamente provada a capacidade de adaptação a qqualquer tipo de missão por parte desta força especial.
    Gostaria só de fazer uma pequena correção ao artigo e a duas das fotos; a Companhia FZ ficou dividida entre o aquartelamento em vitkovice e o hotel de Rogatica. A foto do desfile é exactamente nas ruas de Rogatica. A primeira foto do parque de viaturas mostra as traseiras do referido hotel de Rogatica.
    Espero ter contribuido para tornar mais acertado este belíssimo artigo.
    Saj. FZ Silva

    ResponderEliminar
  4. A participação da Companhia de Fuzileiros na 1ª Força Nacional Conjunta Destacada na missão da NATO na Bónia (SFOR II)-cujo empenhamento foi objecto dos mais diversos elogios num ambiente multinacional-,dignificou a Marinha e as Forças Armadas.

    Mas esta é uma parte da história. Para o artigo ser completo e mais preciso, seria importante não esquecer que a participação de Oficias, Sargentos e Praças Fuzileiros no Comando (2º Comandante) e Estado-Maior(Oficial de Ligação com o Comando da SFOR, Pessoal, Operações,Informações e Logistica)do Agrupamento Conjunto ALFA. Aqueles militares também dignificaram a sua Instutuição pela forma dedicada e empenhada como desempenharam os seus cargos, contribuindo para desempenho mais eficaz da Companhia de Fuzileiros.

    FUZILEIRO UMA VEZ, FUZILEIRO PARA SEMPRE.

    ResponderEliminar

Grato pelo seu comentário, prontamente estará visível!